Posts com a Tag ‘dor febre’

Febre alta

Febre alta

Já dissemos que só se cura ou liberta a doença aguda, caracterizada por febre exterior. Donde se conclui que, para que desapareça a doença crônica, é preciso derivar para a superfície do corpo a sua febre interna, equilibrando, as suas temperaturas e assim normalizar as suas funções de nutrição e eliminação em que descansa o processo vital.
Mediante rcacções nervosas e circulatórias provocadas na pele por conflito com o frio do ar, da água ou por picaduras de urtigas, é possível produzir febre artificial externa e com ela combater a febre destrutiva das vísceras. Na mesma medida que aumentamos o calor à superfície do corpo diminuirá também o excesso de calor doentio no seu interior. Obter-se-á assim o Equilíbrio Térmico indispensável para a normalidade orgânica, que é Saúde integral do corpo.

Compartilhe no:
  • Orkut

Febre sintomas

Febre sintomas

O pulso dar-nos-á também valiosas observações. A temperatura interna do corpo, que é a mais importante, só pode determinar-se pelo pulso, combinado com as revelações da íris. Como já se disse, num adulto em estado normal de repouso, 70 pulsações por minuto correspondem a calor interno de 37 graus centígrados; 80 pulsações acusam temperatura acima de 37,5; 90 revelam que a febre subiupara 38 graus; a 100 pulsações corresponde a febre de 39 graus; com 110 a temperatura subiu a 39,5; com 40 graus de febre as pulsações chegam a 120 e, quando estas aumentam, é indício seguro de que o calor no interior do ventre se elevou acima de 40 graus.

Compartilhe no:
  • Orkut

Febre local e inflamações

Febre local e inflamações

Termino chamando a atenção para o erro que significa o emprego de s de gelo para combater a febre local e inflamações locais. Em lugar de descongestic o gelo paralisa a circulação do sangue na zona onde é aplicado, dificultando a malização que se pretende.

Compartilhe no:
  • Orkut

Dor e febre

Dor e febre

Por fim, a flagelação com urtigas frescas, desperta no corpo enérgica reacção nervosa e circulatória, febre artificial, estando indicada esta aplicação quando a pele do doente se apresenta fria e cadavérica como na pneumonia, asma e paralisia. Esta reacção é análoga ao efeito que dantes a medicina procurava obter por meio das clássicas ventosas e dos sinapismos. Congestões pulmonares, dos rins ou do fígado eram derivadas para a pele por meio da acção de ventosas que, congestionando a superfície do corpo correspondente ao órgão interno afectado, produziam o descongestionamento dos tecidos interiores. Também sinapismos aplicados às pernas ou pés da vítima de uma congestão cerebral, atraem fortemente o sangue descarregando a congestão da cabeça.

Compartilhe no:
  • Orkut

Febre

febre

Febre local.

Além da febre interna, que se origina e mantém no intestino  apresenta-se geralmente nos doentes uma febre local, na zona ou órgão  directamente comprometidos no desarranjo geral que sempre parte do aparelho digestivo. Assim, se espetamos uma espinha num dedo, imediatamente noian a inflamação local, com aumento da temperatura no ponto afectado. Fenór análogo se produz na pneumonia, nefrite, apendicite, reumatismo agudo.

O tratamento curativo deverá, pois, observar estes dois aspectos do desequilíbrio térmico que é preciso normalizar para obter a cura, ou seja o regresso à Saúde.

Compartilhe no:
  • Orkut