Arquivo da Categoria ‘Tratamento de doenças’

Doenças do sistema digestivo humano

A alteração, maior ou menor, do tecido iridiano na zona do estômago e intestinos, denunciada por desagregação das suas fibras ou esponjamento, revela um processo inflamatório e mais ou menos congestivo das mucosas e paredes do estômago e intestinos.
Toda a congestão, alterando a irrigação sangüínea, debilita a vitalidade dos tecidos áfectados por desnutrição e intoxicação das células. Daqui se deduz que o processo inflamatório e congestivo, que em grau variável afecta o estômago e intestinos de todo o doente, significa debilidade funcional destes órgãos e também calor anormal neles contido.

Compartilhe no:
  • Orkut

Doenças do aparelho digestivo

Doenças do aparelho digestivo.
A íris cofirma de forma evidente esta afirmação, de tal modo que no tecido iridiano de todo o doente, qualquer que seja a sua doença, aparece a zona corres-pondenfe ao tubo digestivo mais ou menos alterada por irritação ou inflamação dos seus tecidos. Da zona digestiva parte sempre a ofensiva anormalizadora para qualquer órgão ou parte do corpo afectado por determinada doença.
Este facto pode ser comprovado por qualquer pessoa que se sinta doente e qualquer que seja o nome do seu mal. Será suficiente que num espelho obserne a íris dos seus olhos e comprovará que em redor das pupilas se apresenta um tecido mais ou menos esponjoso, de cor amarelenta ou mais escura, em que o tecido iridiano se dispersa, fazendo contraste com o resto que se apresenta mais ou menos liso, compacto e de cor mais uniforme. Além disso, a circunstância de que na íris a zona correspondente ao tubo digestivo ocupa o centro em redor do qual ficam os demais órgãos do nosso corpo, demonstra-nos a importância fundamental que a função digestiva tem na nossa economia orgânica.

Compartilhe no:
  • Orkut

Função digestiva

A constituição e funcionamento do nosso corpo dependem tão fundamentalmente da função digestiva, que podemos afirmar que a digestão constitui o centro de todas as actividades orgânicas e que da natureza deste processo depende o estado de Saúde ou de doença do nosso organismo.
Somos um aparelho digestivo com membros, e é no ventre que se elabora a Saúde e se origina a doença, qualquer que seja o seu nome ou manifestação.
Não há doente com boa digestão, como não pode existir homem são com digestão cronicamente perturbada.
A má digestão pode apresentar-se sob dois aspectos: má elaboração ou má eliminação. Pode-se ter elaboração estomacal sem incômodos, mas reter os excrementos 24 ou mais horas no ventre; pelo contrário, a elaboração estomacal pode ser feita com desenvolvimento de gases ou ácidos e evacuar-se o ventre de 8 em 8 ou de 10 em 10 horas, o que é normal.
Toda a doença tem sempre como origem e fundamento um desarranjo agudo ou crônico da função digestiva.

Compartilhe no:
  • Orkut

Nutrição intestinal

Nutrição intestinal.
O tubo digestivo começa na boca e termina no ânus. Assim, também o processo digestivo começa na boca, com a mastigação e deglutição dos alimentos, e termina com a expulsão dos resíduos inúteis.
Além da boca, no aparelho digestivo temos o esófago, que é o canal que une a boca com o estômago (sendo este a parte mais larga do tubo digestivo); o intestino delgado e, por último, o intestino grosso.
É no intestino delgado que se efectua a parte principal do processo digestivo preparado antes na boca e no estômago.

Compartilhe no:
  • Orkut

Fazer exercício físico

Fazer exercício físico

Assim se explica que, enquanto o habitante das cidades que vive abrigado e sem fazer exercício físico, é vítima de constipações e desarranjos digestivos crônicos, o habitante do campo, cujo corpo seminu está diariamente em conflito com a atmosfera, não conhece más digestões, apesar de consumir alimentos prejudiciais com bastantes temperos.
Terminamos, insistindo que a febre interna, causa de todo o desarranjo digestivo e característica de todo o doente, desaparece com a actividade da pele que diariamente reage à acção do ar fresco, da água fria, da luz e do sol, derivando para o exterior o calor excessivo do interior do corpo.
Na devida altura exporemos o assunto referente aos banhos de ar, luz e de sol.

Compartilhe no:
  • Orkut

Dicas para saude

Dicas para saude

O debilitamento funcional da pele, incapacitando o organismo de expulsar as matérias mórbidas pelos seus milhões de poros, leva às mucosas do interior as ditas substâncias estranhas, as quais pela sua acção ácida e irritante produzem inflamações e congestões internas, causa de afecções dos pulmões, estômago, intestinos, coração, rins, sistema nervoso e circulatório, etc. É assim que os desarranjos digestivos se agravam e -se mantêm por debilitamento das funções da pele.
Compreende-se, então, que para aliviar os órgãos nobres do nosso corpo, o caminho mais lógico e seguro é activar a pele, derivando para ela a congestão e as impurezas do seu interior, o que se consegue estimulando a superfície do corpo por meio do frio do ar ou da água para obter reacções térmicas. Também o Sol, o vapor e a terra são agentes que actuam sobre a pele, derivando para os poros as matérias mórbidas do interior do corpo.

Compartilhe no:
  • Orkut

Intoxicação medicamentosa

Intoxicação medicamentosa

Intoxicação medicamentosa. Suponhamos uma casa infestada de bichos como baratas, moscas, pulgas, percevejos, etc, e o seu dono empenhado em acabar com esta verdadeira infecção. Procura um técnico da escola alopata, o qual, seguindo a teoria microbiana, instala na dita casa um laboratório de venenos para com eles fazer diárias e repetidas fumi-gações e irrigações aos pavimentos, paredes e tectos. Ao princípio parece assegurado o êxito das aplicações, pois, por todas as partes se encontram cadáveres dos incômodos hóspedes; mas, antes de muito pouco tempo voltam a aparecer os inimigos que, ainda que movamente extintos com os venenos, reaparecem periodicamente. O proprietário, que assinalou estragos nas pinturas, paredes e madeiras do edifício, sem ficar livre da infecção, resolve mudar de sistema e entrega a um técnico natu-rista o saneamento da sua casa. Este, que sabe que o micróbio não vive senão de impurezas e sujidades, sem atacar directamente os insectos inimigos, faz esmerada limpeza de pavimentos, tectos, paredes e cantos dos quartos e demais dependências, conseguindo em breve tempo deixar a casa permanentemente livre dos incômodos hóspedes, sem produzir deteriorações na habitação.

Compartilhe no:
  • Orkut

Interação medicamentosa

Interação medicamentosa

O fanatismo médico hoje imperante e o culto pelas drogas, soros, vacinas, injecções, raios X, rádio e operações cirúrgicas devem desaparecer abrindo o homem os olhos à luz da lógica e da razão que nos diz que a Saúde não pode ser o resultado de agentes mortíferos como o veneno, base de tônicos, drogas e injecções e o bisturi que extirpa o que não pode curar. O mesmo pode dizer-se do fego, da electricidade, e, pior, do rádio.
A medicina medicamentosa, convertida na arte de caçar micróbios dentro do corpo humano, esquece-se do organismo em que opera, ameaçando a sua vida com os tóxicos que nele introduz.
Para que o leitor aprecie a diferença de critério que guia os diversos sistemas de curar, vamos dar um exemplo.

Compartilhe no:
  • Orkut

Intoxicações medicamentosas

Intoxicações medicamentosas

A medida que se recorre às drogas, o organismo vai-se tornando cada vez menos sensível à excitaçâo do veneno cuja dose é preciso aumentar de cada vez; e insensivclmentc assim se vai caindo na intoxicação medicamentosa que arruina a vitalidade do organismo.

Compartilhe no:
  • Orkut

Dor de cabeça

Dor de cabeça

Temos, por exemplo, uma dor de cabeça: a pessoa afectada recorre à aspirina, ou mesmo a qualquer outro preparado farmacêutico terminado em «ina», e ingerindo o «medicamento», ao fim de pouco tempo notará a desapariçâo da sua dor. «Curou-se» a doença da cabeça? Não, porque não se afastou a causa, que sempre é interna, e a sua origem está no ventre; mas a dor, que era reacção defensiva da Natureza, desapareceu por envenenamento da célula nervosa, cuja actividade, manifestada na dor, foi paralisada pela acção deprimente do tóxico injectado ou ingerido. Neste caso os nervos sensitivos perderam a direcção das suas funções como sucede a um bêbedo que se incapacita para andar, ver, falar e sentir normalmente por intoxicação alcoólica.

Compartilhe no:
  • Orkut