Arquivo da Categoria ‘febre’

Limpeza do sangue

LAVAGEM DO SANGUE.
Com esta denominação designo a prática mais adequada para conseguir a purificação do fluido vital, sempre mais ou menos alterado em todo o doente crônico.
A própria experiência diária praticada durante mais de vinte e cinco anos e os resultados obtidos em milhares de doentes incuráveis, autorizam-me a denominar esta aplicação «Lavagem do Sangue Sistema Lezaeta».
Definamos: A minha Lavagem do Sangue consiste numa série de reacções nervosas e circulatórias provocadas por freqüentes abluções de água fria sobre a pele aquecida pelo vapor, pelo sol ou por prévia flagelação com urtigas.
É esta a aplicação fundamental do meu sistema de Saúde e a sua prática quotidiana nos adultos constitui um seguro bem-estar e longa vida. A sua acção no organismo satisfaz a necessidade de purificar e normalizar a circulação do sangue, em grau variável alterado em todo o doente crônico, como é revelado sempre pelo exame da íris.
A minha Lavagem do Sangue pouco tem de comum com os conhecidos banhos de vapor de Kneipp ou Kuhne e, menos ainda, com os banhos de transpiração, sistema russo ou turco. Na aplicação que recomendo é a água fria que actua e não o calor. Este só serve para favorecer a rápida reacção, a qual pode obter-se com vapor, com sol ou com fustigações de urtigas na pele.
Todo o banho quente, seja de água ou de vapor, é debilitante e bastante prejudicial, porque, como sabemos, tem reacção fria na pele, portanto, favorece a febre interna do ventre. Pelo contrário, na minha Lavagem do Sangue as freqüentes abluções de água fria despertam actividade nervosa que acelera as trocas orgânicas, caminho de regeneração integral do corpo. Daqui resulta que esta aplicação é forti-ficante e tônica e nunca debilita.
Sabemos que o sistema nervoso é o motor que põe e mantém em acção as funções de nutrição e eliminação onde se apoia todo o processo vital. A energia nervosa depende da qualidade do sangue. O sangue puro mantém nervos sãos e vigorosos, ou seja actividade funcional do corpo, que é saúde integral. O sangue impuro debilita a vitalidade nervosa e, portanto, deprime a actividade do organismo, originando o estado de doente. Finalmente, o sangue intoxicado paralisa a acção do sistema nervoso, ou seja as defesas orgânicas, conduzindo à morte.

Compartilhe no:
  • Orkut

Banho de vapor

VAPORES.
Segundo a minha Doutrina Térmica, o único banho quente recomendável é o de vapor, pois as desvantagens de toda a aplicação quente estão compensadas pelo efeito purificador do vapor de água, sendo de benefícios incomparáveis nas intoxicações crônicas dos chamados sifilíticos, diabéticos e artríticos, podendo dizer-se que os banhos de vapor são a salvação destes doentes, quando aplicados segundo as instruções da minha Lavagem do Sangue.
O vapor pode ser total ou parcial. Quando há grande aceleração do pulso, como nas febres com mais de 120 pulsações, é preferível enfaixamento húmido ou as seis fricções na cama.
No entanto, o inconveniente dum pulso acelerado desaparecerá aplicando-se durante o banho de vapor fricções de água fria, cada 3 ou 4 minutos, como se explica na minha Lavagem do Sangue.
Forma de aplicar .em casa o vapor para Lavagem do Sangue.
Esta última aplicação por si só satisfaz as necessidades de todo o doente crônico. Com efeito, congestionando a pele, descongestionam-se também as mucosas e órgãos do interior do corpo, equilibrando assim as suas temperaturas. Além disso, activando a eliminação cutânea purifica-se o sangue.
Na minha Lavagem do Sangue, o agente salutífero não é precisamente o vapor, mas sim, a água fria. O frio é o estímulo que produz reacção nervosa e circulatória que activa as trocas orgânicas; o vapor só serve para favorecer a rápida reacção de calor na pele e a eliminação de impurezas pelos poros.
O vapor total produz febre curativa indispensável para restabelecer a Saúde de organismos doentes ou degenerados por febre destrutiva das suas vísceras.

Compartilhe no:
  • Orkut

Banho genital masculino

Banho genital masculino. Vê-se na figura como se pratica a fricção do prepúcio dentro da água. Não é necessário despir-se por inteiro, senão as partes genitais. O nível da água deve cobrir o membro viril.
A freqüência do banho genital variará de uma a três vezes por dia, sendo preferível uma aplicação de meia hora a três aplicações de dez minutos cada uma, pois assim conseguem-se efeitos mais profundos e duradouros.
O banho genital de 15 a 30 minutos, aplicado duas horas depois da última refeição do dia é um meio seguro para se conseguir um bom sono.
Por fim, é bom sintoma quando, por efeito deste banho, se produzem chagas nas partes sexuais ou aparecem fluxos uretrais ou vaginais. Tudo isto demonstra a obra eliminadora que se realiza pela sua acção estimulante das defesas naturais.

Compartilhe no:
  • Orkut

Banho genital

Banho genital:
Este simples e eficacíssimo banho, ideado por Kuhne, é uma das aplicações de efeitos mais energéticos e seguros em todo o doente, e com ele se estimula especialmente a função digestiva, a qual, regularizando-se, assegura toda a cura.
Para este banho emprega-se a mesma banheira do banho de assento, com 30 ou 40 litros de água fria, a fim de a manter fresca durante todo o tempo que dure a aplicação, condição da sua eficácia. Dentro da água, submerge-se um ban-quinho, cujo assento fique quase ao nível da água, sentando-se o doente em seco e com as pernas fora do depósito. O homem, que não necessita de despir-se, introduzirá dentro de água o membro viril, tendo o cuidado de que o prepúcio cubra a glande e, conservando-o assim com os dedos da mão esquerda, friccionará suavemente com um pano na outra mão, debaixo da água, o bordo extremo do prepúcio, durante todo o tempo que dure o banho, que será de 15 a 60 minutos nos adultos e de 5 a 10 nas crianças.
A fricção faz-se na extremidade do prepúcio e nunca na glande ou cabeça do pénis.
Os homens circuncisados, não podendo actuar sobre o prepúcio de que carecem, aplicarão a fricção do baixo-ventre, do umbigo para baixo, durante 10 minutos, mais ou menos.
As mulheres prepararão o banho nas mesmas condições e duração. Empregando um pano de linho ou algodão de tamanho regular, que manterão com a mão dentro da água, aplicarão esta sob a forma de ablução sobre os órgãos geni-tais externos, fazendo suave fricção sobre os grandes lábios em cada passagem.
O bidê do toucador é mais apropriado para se aplicar este banho, tanto masculino como feminino, sempre que se mantenha despejada e corrente a água, para evitar que aqueça, o que faria perder o valor estimulante da aplicação.
O banho genital combate a febre interna. Além dos efeitos estimulantes da actividade vital e, especialmente, das funções digestiva e renal, tem grande poder eliminador, atraindo aos orifícios naturais de eliminação do baixo-ventre, matérias estranhas acumuladas na cabeça, pescoço, pulmões e, em geral, de todo o corpo. É o melhor recurso contra a prisão de ventre e agente salvador nas afecções génito-urinárias. Não há dor de cabeça que resista a este banho de meia hora de duração, o qual se pode repetir tantas vezes quanto seja necessário. Os rins descongestionam–se com a sua acção, favorecendo assim o seu trabalho salvador nas intoxicações.
Para que se realizem os seus bons efeitos, é necessário tomar este banho com o estômago vazio e não voltar a enchê-lo senão depois de passados uns 20 minutos. Também pode ser aplicado duas horas depois das principais refeições.
O banho de assento e, melhor, o de Just, é mais apropriado do que o genital no tratamento das pessoas jovens.

Compartilhe no:
  • Orkut

Banho de tronco

Banho de tronco.
Toma-se na banheira indicada na figura, abrangendo não só os quadris, mas uma boa parte do tronco e espinha dorsal. A sua duração é de 5 a 15 minutos, devendo friecionar-se o baixo-ventre com a mão ou uma toalha durante todo o tempo que dure o banho, para derivar o calor interior.
Esta aplicação é de grande efeito derivativo e refrescante das vísceras. Além disso, atrai aos orifícios naturais matérias mórbidas acumuladas em todo o corpo. Como refrescante do interior do corpo o banho de tronco supera qualquer outra aplicação, o que o torna um recurso salvador em caso de febre alta como o tifo. O banho de tronco poderá repetir-se duas, três e mais vezes ao dia, até manter o pulso abaixo de 100 por minuto. Quando há febre alta convém que a água do banho tenha uma temperatura de 28 a 30 graus. Durante a aplicação, que pode prolongar–sc até meia hora, deita-se água fresca continuamente sobre o ventre do doente, com uma jarra, em forma de jorro fino que espalhe a aplicação. Ao mesmo tempo vai-se tirando o líquido que aquece.

Compartilhe no:
  • Orkut

Banho frio de assento

Banho frio de assento:
Este banho toma-se introduzindo na água somente as nádegas. A sua duração é de um a cinco minutos e durante a aplicação é necessário friccionai o baixo-ventre com as mãos molhadas. Naturalmente, bastará descobrir a parte do corpo que se molha. O seu efeito é descongestionante das vísceras e favorece a função digestiva, sendo muito recomendável para pessoas que sofrem de prisão de ventre, as quais podem aplicá-lo, duas, três ou mais vezes por dia, até obter evacuação.

Compartilhe no:
  • Orkut

Banho frio de pés

Banho frio de pés:
Este consiste em introduzir os pés até às barrigas das pernas na água contida num balde durante meio a dois minutos, provocando depois a reacção com um passeio ou envolvendo sem enxugar a parte molhada, num pano seco de lã. Os seus efeitos são descongestionantes da cabeça, pescoço, peito e ventre, análogos aos da afusão dos joelhos. Está indicado nas constipações, tosse, defluxo, afecções da cabeça, ouvidos ou garganta. Pode tomar-se na cama ao deitar ou pela noite, se houver insónia, porque favorece o sono, recomendando se especialmente às pessoas nervosas c que sofrem de frio nos pés, podendo dar-se com a freqüência que se deseje e, melhor, alternando com a afusão aos joelhos.

Compartilhe no:
  • Orkut

Banho de just

BANHO DE JUST.
Nas tinas correntes, o único banho recomendável é o que está acima apontado.
O doente senta-se no fundo da banheira que conterá somente dez centímetros de água fresca, de maneira que as nádegas, os calcanhares e partes genitais fiquem quase submersos na água. No fundo da banheira só tocam as nádegas e os calcanhares porque, ficando as pernas encolhidas, ambos os joelhos se encontram a boa altura por cima da água.
Nesta posição e com o auxílio das mãos, molha-se o ventre friecionando-o fortemente e de maneira contínua, assim como também ambos os flancos dos quadris, entre as pernas, região inguinal e órgãos genitais externos, especialmente as mulheres.
A duração deste banho variará até cinco minutos em tempo frio e dez minutos no Verão ou em dia de calor.
Praticadas continuamente as referidas fricções durante o tempo apontado, para terminar, a pessoa esticará as pernas, molhando-as rapidamente com as mãos, assim como o peito, espáduas e braços. Já fora da tina e de pé, friecionará com as mãos a pele até enxugar todo o corpo. Em seguida veste-se e procura a reacção sem transpirar, por meio duma boa caminhada, algum trabalho manual ou expondo-se ao sol.
Não sendo possível estas actividades, o doente abrigar-se-á com mantas na cama.
Este banho pode tomar-se diariamente e ainda várias vezes por dia para os doentes cm estado febril.
É ainda mais saudável tomar este banho natural ao ar livre, com o tempo bom, estando no campo, em qualquer curso de água ou na praia, à beira do mar ou do rio.

Compartilhe no:
  • Orkut

O que é bom para baixar a febre

Afusão às espáduas:
Esta aplicação abrange todo o plano posterior, desde os calcanhares aos ombros, produzindo especialmente enérgica reacção circulatória.
Duche às espáduas e braços. Para tomar este banho, basta descobrir-se o tronco e colocar as mãos no fundo duma banheira para receber a água desde a mão direita, regando assim um braço e depois o outro, para ir derramando a água sobre a espádua sem molhar a cabeça.
O efeito deste banho é especialmente tônico para os órgãos do peito, pulmões e rins.
A duração dos duches parciais variará de um a quatro minutos, conforme a constituição do doente.
Regra geral, os duches parciais devem alternar-se entre si e combiná-los com duches de agulheta ou fricção, tomando a aplicação parcial pela manhã e a total pela tarde. A razão desta advertência é que, repetido diariamente um duche local, pode perturbar-se a normalidade circulatória do sangue atraído continuamente à região ou membros banhados.

Compartilhe no:
  • Orkut

Dicas para baixar a febre

Afusão às pernas.
Compreende estas somente e opera como derivativo do peito e cabeça, actuando de forma muito favorável e eficaz sobre o estômago, rins e bexiga.

Compartilhe no:
  • Orkut