Arquivo da Categoria ‘Doença aguda’

Tumores nos ovários

Tumores nos ovários, útero ou outra zona do corpo, têm também origem e desenvolvimento análogos. As matérias estranhas ao corpo vivo, introduzidas por nutrição inadequada e retidas no organismo por deficientes eliminações, depositamse de preferência entre os tecidos dos órgãos do baixo-ventre, perto das saídas naturais, por deficiência funcional dos intestinos, pele e rins. É assim que a prisão de ventre é a causa de tumores que se pretende curar com cirurgia e com o destruidor rádio.
Não esqueçamos que, para que as funções de eliminação possam desenvolver-se convenientemente, é necessário normalizar a circulação sangüínea, equilibrando as temperaturas interna e externa do nosso corpo. Este fim conseguir-se-á atraindo à pele o calor interior por meio de reacções nervosas e circulatórias, despertadas mediante aplicações frias de ar ou água e, melhor ainda, em combinação com o calor do sol ou vapor. Além disso é preciso descongestionar o interior do ventre refrescando-o profundamente com banhos frios de tronco, assento ou genitais, e aplicações de argila.

Compartilhe no:
  • Orkut

Cancro dos rins

Este processo degenerativo dos rins desenvolve-se de forma análoga nos pulmões, coração, baço, fígado, ovários, etc. Sempre a doença de um órgão do corpo começa por inflamação ou congestão aguda, passando depois ao período crônico, para degenerar, finalmente, em processo destrutivo, chamado cirrose, tuberculose ou cancro.

Compartilhe no:
  • Orkut

Fisiologia dos rins

Os rins estão submetidos a excessivo trabalho nos habitantes das cidades, geralmente vítimas de desarranjos digestivos derivados da sua febre interna. O trabalho forçado destes maravilhosos órgãos, debilita paulatinamente a sua potência, o que os leva a realizar com o tempo um trabalho progressivamente mais deficiente.
Congestionados os rins, prolongando e forçando o seu trabalho, debilita-se a vida dos seus tecidos por má nutrição das células que não recebem alimento de um sangue imobilizado, nem tão-pouco eliminam dele os produtos tóxicos das trocas orgânicas. Por outro lado, a congestão desenvolve maior calor do que o normal, atraindo de forma permanente à zona congestionada maior percentagem de sangue que, imobilizado também, deposita aí as matérias mórbidas que possui. Quanto mais se prolongue este processo congestivo, mais se deprimirá progressivamente também a função dos órgãos afectados, até incapacitar-se a sua actividade como sucede na nefrite, causa de uremia.

Compartilhe no:
  • Orkut

Operação cirurgica

Operação cirurgica

Se as drogas, soros, vacinas e injecções de toda a espécie, raios X ou rádio, longe de curarem os doentes, dificultam toda a cura verdadeira, as operações cirúrgicas são a própria negação da arte de curar; a sua prática só é aceitável em caso de acidente.
Não se necessita insistir muito para o leitor compreender que, se um órgão ou membro do nosso corpo é extraído ou mutilado, é porque não se lho soube curar. No entanto, dado o meio em que se desenvolve a acção do médico-cirurgião, justificamos os processos opcratórios, pois as pessoas que não querem cultivar a Saúde contrariando gostos e prazeres mórbidos, devem libertar-se passageiramente dos seus achaques de qualquer maneira.

Compartilhe no:
  • Orkut

Sintomas gonorreia

Sintomas gonorreia

Mas o nosso jovem não morreu de gonorreia, e aqui está o triunfo do facultativo. Que responsabilidade se pode dar a este se o antigo cliente gonorreico, alguns anos depois, morreu do coração ou do cérebro?
Homem ignorante, conformas-te com afastar da tua vista a doença, efeito da obra que todos os dias realizas, por uma vida de erros e de vícios, recorrendo ao médico para que com a droga ou injecção estimulante ou calmante habilite novamente o teu corpo para continuar uma existência em conflito constante com a Lei Natural. Mas a Natureza não se engana com recursos artificiais, nem se vence senão submetendo-nos às suas leis imutáveis.

Compartilhe no:
  • Orkut

Gonorreia

Gonorreia

Gonorreia. Abafada assim a obra defensiva da Natureza, junto com o desaparecimento da expulsão de matéria corrompida, esta desenvolve no interior do organismo a sua obra corrosiva, intoxicante e destruidora, produzindo depressão geral da energia vital e transtornos variáveis no cérebro, sistema nervoso e circulatório, fígado, rins, estômago, pulmões, coração, etc, e, especialmente, inflamações da próstata, ovários e útero.
Ao cabo de um tempo maior ou menor, segundo a vitalidade que possua o doente, chega o momento em que este esgota a sua resistência orgânica, produ-zindo-se a morte prematura e violenta, quase sempre por derramamento cerebral, ataque de anginas ou afecção renal.

Compartilhe no:
  • Orkut

Gonorréia

Gonorréia

Gonorréia.
Se essa supuração era prejudicial e constituía a doença que se tratava de combater, fica à vista o triunfo do médico ao suprimir o fluxo uretral. Mas como o nosso organismo está regido por leis imutáveis que o dirigem a actuar sempre em sua defesa, jamais em seu prejuízo, o processo supurante, longe de ser prejudicial, era acção salvadora da Natureza que estava destinada a purificar o corpo das imundícies por longo tempo acumuladas, de preferência no baixo-ventre, por uma vida antinatural, com crônicos desarf anjos intestinais.
Suprimindo o sintoma da doença, desaparecido o fluxo uretral ou vaginal considerado como sintoma perigoso e prejudicial, médico e doente regozijam-se juntos, proclamando o triunfo da ciência.

Compartilhe no:
  • Orkut

Blenorragia

Blenorragia

Outro exemplo: um jovem é vítima de blenorragia. Com o tratamento abortivo do sintoma, suprimindo a supuração uretral que é defesa orgânica, longe de curar-se o mal impede-se a obra que nesse sentido a Natureza realiza. Injectando no sangue venenos que paralisam a actividade das supurações que permitiam ao organismo expulsar do seu interior a matéria corrompida e acumulada no baixo-ventre, concentram-se no interior do corpo e no sangue as imundícies que este procurava expulsar.
Erradamente considerada a supuração uretral como doença, o médico abafou-a paralisando as defesas orgânicas por meio de venenos injectados.

Compartilhe no:
  • Orkut

Doença aguda

Doença aguda

Se a doença aguda representa activa defesa da Natureza e a doença crônica significa impotência defensiva da mesma por debilitamento da força vital, compreende-se que as drogas, antibióticos, injecções, vacinas, soros, raios X ou rádio, aniquilando a energia orgânica, suprimam os sintomas activos que caracterizam os estados agudos da doença com o que, sem fazer desaparecer a causa do mal, este aumentará no organismo, transformando-se assim a doença aguda curável em crônica incurável.

Compartilhe no:
  • Orkut