Arquivo da Categoria ‘A mente’

Exercite sua mente

Exercite sua mente:
Correr, andar de bicicleta e nadar, por exemplo, deixam o raciocínio afiado, aponta um estudo da Universidade Estadual do Arizona, nos Estados Unidos. Os cientistas aplicaram testes de inteligência em 53 voluntários — metade fazia atividades desse tipo três vezes por semana e o restante era sedentário. O primeiro grupo foi mais ligeiro nas respostas, além de acertar um número maior de questões.”Os exercícios aeró-bicos potencializam as funções neurofisiológi-cas”, explicou à SAÚDE! Marc Lochbaum, especialista em psicologia esportiva e autor da pesquisa.

Compartilhe no:
  • Orkut

Tai chi chuan movimentos

Wuchi: faça cinco respirações profundas nessa postura.
Tocando o céu e a terra: coloque sua mão direita na cintura com os dedos apontados par trás. Com o braço esquerdo estendido, gire o tronco para a esquerda, suba o braço bem para cima, empurre o céu com a palma da mão, gire o tronco para o lado direito, vire a palma da mão para trás e desça a mão na lateral do pé, solte a cabeça (sem flexionar os joelhos), relaxe as costas e, ainda com a cabeça abaixada, vá para o outro lado. Suba o braço até a altura do ombro e volte para o centro. Desça a mão na lateral do corpo, vá para o lado esquerdo e comece de novo. Desta vez com a mão esquerda na cintura.
Exercício da garça:
calcanhares juntos, pontas dos pés abertas, braços ao longo do corpo. Suba na ponta do pé, traga o braço na altura do ombro, coloque o pé no chão e desça a cabeça sem flexionar os joelhos. Vá lá embaixo e deixe a cabeça ficar pesada. Desenrole devagar, junte as costas das mãos, jogue-as contra o peito. Afunde o peito, jogando os cotovelos para a frente. Em seguida, alongue os braços para frente e para cima. Abra o peito com os cotovelos para trás, os dedos para cima e a palma da mão para dentro. Empurre para fora. Fecha e faça novamente.
Acariciando nuvens: com os joelhos flexionados na direção da ponta dos pés, gire o tronco para a direita, troque as mãos de posição, abaixe o cotovelo e vá para o outro lado. O importante é os joelhos estarem alinhados com as pontas dos pés.

Compartilhe no:
  • Orkut

A mente

a-mente

Sendo o nosso sistema nervoso agente transmissor das energias vitais, qualquer desequilíbrio das suas funções afecta a normalidade geral do corpo e é, portanto, causa de doença. Por isso, todas as doenças estão filiadas num desarranjo nervoso, sendo este uma causa daquelas.
A nossa mente dirige toda a nossa actividade afectiva e esta por sua vez impressiona o sistema nervoso, donde se conclui a importância que tem a educação da força mental no domínio dos nossos nervos.
O estudo da força mental é considerado de grande importância, tanto para manter a Saúde como para recuperá-la e este estudo deu origem ao Mentalismo.
A força mental é atributo do homem e a ela se devem muitos fenômenos antes inexplicáveis, entre os quais citaremos o hipnotismo, o magnetismo animal, a transmissão do pensamento e da energia vital, etc.
É sabido que um susto, um desgosto ou uma grande alegria produzem desar-ranjos na digestão, o que eqüivale a dizer anormalidade geral, compreendendo-se facilmente que para manter o equilíbrio nervoso deve evitar-se toda a espécie de impressões fortes. A vida emocional e os excessos sexuais debilitam o sistema nervoso e arruinam a digestão, sendo assim grave causa de falta de Saúde.
A doença que o nosso povo chama «tensão» e que em muitos casos ocasiona a morte, não é outra coisa senão um desequilíbrio funcional por falta de direcção da mente.
A vida tranqüila, sem ambições desproporcionadas e livre de preocupações intensas, é condição indispensável para uma boa Saúde.
O amor, se não for bem orientado, também pode ser causa de doença e até de morte.
É sabido que o ódio, o orgulho e a inveja envenenam o sangue, e a ira afecta directamente as funções do estômago e do fígado.
A luxúria é causa de males sem conta para o indivíduo e para a raça, comprometendo o seu futuro até à quarta geração.

Compartilhe no:
  • Orkut